Contatos: monica.iaromila@gmail.com e (21) 986964300

Primeiras Informações

Minha foto
Arte para a Vida, na Vida e pela Vida - Criatividade, Cuidado & Acolhimento Atendimentos na Tijuca - Telefone: (21)3063-1596; (21)986964300 E-mail: monica.iaromila@gmail.com - Eu sou Mônica Valéria; Saber o significado deste nome me trouxe Iaromila. Portanto, desde 2005, este é o meu nome profissional: Monica Valeria Iaromila. Minha atuação é Arteterapia e Educação. Sou uma cuidadora, e nesta palavra cabe amor, poesia, encantamento e luz. Considero-me um veículo para que as pessoas saibam qual é o seu próprio sol, transformem o que é possível, fazendo-o brilhar com a força que lhes é própria. Como James Hillmann afirmou "estou humildemente a serviço da Alma". Trabalho com crianças a partir de 10 anos, adolescentes, jovens, adultos e idosos. Em grupos e individualmente. Ofereço cursos, palestras e oficinas e participo de projetos que considero válidos.

OMINIBU pode significar águas profundas ou poço. São seis blogs que estão contidos nessa fonte:

O Ominibu propriamente é a porta de entrada, onde encontrar-se-á crônicas, poesias, explicações sobre arteterapia, blogs e sites amigos, textos que me são importantes etc.

Naima - poesias e prosa: http://naima-imagens-poesias.blogspot.com/

Informações sobre arteterapia: http://www.iaromilamv.blogspot.com

http://www.propostasdoespaco-arteterapia.blogspot.com

O "Descaramujando" traz informações sobre minha pessoa e formação, além de textos: http://escritosmeus-escritosproximos.blogspot.com/

No blog Aprendizados são encontradas propostas de cursos, informações sobre Calatonia e Reiki. aprendizados

Mais umas palavrinhas...

Passamos a vida aprendendo a Ser e Viver nossa Essência. Vivenciar o presente plenamente é o nosso desafio. Temos a oportunidade diária de Renovação, uma de nossas dádivas. Ser é o que basta, viver na Presença, construindo um relacionar-se baseado nessa premissa. Os encontros possibilitam entrega, confiança e o compartilhar - embora sejamos autosuficientes, somos seres relacionais. Quebrar as ilusões que nos separam do todo parte de uma crua compreensão que somos sós, mas somos Um. Tenho esperança na construção de um mundo mais equânime, no qual todas e todos possam estar bem consigo mesmas(os), bem nas suas peles. É um bom combate, feito através do afeto, da veracidade e dos saberes que me perpassam.

Diante da água profunda, escolhes tua visão; podes ver à vontade o fundo imóvel ou a corrente, a margem ou o infinito; tens o direito ambíguo de ver e de não ver; tens o direito de viver com o barqueiro ou com uma nova raça de fadas laboriosas, dotadas de um gosto perfeito, magníficas e minuciosas. A fada das águas, guardiã da miragem, detém em sua mão todos os pássaros do céu. Uma poça contém o universo. Um instante de sonho contém uma alma inteira. (...) O passado de nossa alma é uma água profunda. (Gaston Bachelard)

Monica Valeria Iaromila - Arteterapeuta (AARJ 213);
Coordenadora do Bharani - Arte, Terapias e Vida. Co-coordenadora do Têmenos Arteterapia, Formação em Arteterapia, grupos de estudos e de aprofundamento. Psicoterapeuta Corporal em Análise Psico-Orgânica e Psicologia Biodinâmica -(CEBRAFAPO/EFAPO Brasil-França) desde Outubro de 2013;
Estudos em Aromaterapia e utilização de óleos essenciais desde 2013. Mestre em História - Bacharelado e Licenciatura em História - UERJ; Mestre em REIKI;




quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Meu outro nome

Há pouco tempo descobri que este nome Iaromila é encontrado na língua eslava e significa sacertodiza do deus solar Iarilo. Eu gosto do som... o escolhi porque gosto de uma cantiga sacra afro-brasileira que soa um nome parecido... quem conhece, sabe. Imagine a minha surpresa quando soube que ele é afro-eslavo-brasileiro?

foi um dos primeiros textos que publiquei neste blog, em fevereiro; lá estão as colagens de minha autoria.

Utilizo "Iaromila" desde 1998. É uma marca.

Uma professora falou da frase de Clarice Lispector "me deram um nome e me alienaram de mim". Como isso bateu forte! Iaromila é um nome que me dei, a partir do momento que entrei em contato (pelos 29 anos)com o significado real de meu adorado "outro" nome: Mônica Valéria. Iaromila é o nome que escolho, prazer. Cicatrizes tenho hoje, não mais feridas. Provavelmente serão outras. Muitas curas se dão durante uma vida, muitas mortes e muitos renascimentos. Nas outras vidas, amigos que não existem mais, gente boa, gente não tão boa, dores em família, superação de cortes, alegrias tenras. Como o velho avô Obaluaiê, aprendemos a viver com as cicatrizes e não nos comprazemos delas, elas apenas são. E seguimos até quando for o nosso tempo nesse mundo. Como o Sr. Nei Lopes disse outro dia: "Que ele (Babaluaiê, Obaluaiê) nos dê bastante força pra levar a caminhada até quando tiver que ser, como Olofim determinou e como Orumilá transmitiu."

Iaromila

Iaromila é um nome que escolhi
O som me agrada, há silêncio nele.
Adoro conversar, longamente, sobre nada, sobre tudo.
Como se tivéssemos todo tempo do mundo
Feridas carrego, ainda cicatrizam
Penso muitas coisas, procuro não ter certeza de nada
Aprendo, como uma menina, as certezas do corpo
As lágrimas que verto sempre me lavam
São como um rio
Os sorrisos que ofereço, e agora são muitos, me re-descobrem
Iaromila é um peixe... poderia ser um felino, uma mariposa, uma águia, um javali
Uma flor, uma montanha.
Lava crepitante
A mais branca neve do início do inverno
O mais negro carvão do fundo da terra
O barro marrom do profundo da lagoa
Iaromila é Mulher, Mãe, Menina-anciã, Anciã-menina.
Vejo-me no meu filho, nos meus pais, nos meus ancestrais, e no meu próximo.

Das paisagens que meus olhos já viram, quero pouco saber
Quero mais é sentir
Quero pensar menos, mas às vezes sou só pensar
Como dizia Mario de Andrade “sempre gostei muito de viver, de maneira que nenhuma manifestação da vida me é indiferente”.
A vida que é definida por conceitos não me interessa
Renascer faz parte de mim
Morrer também
Entre morte e renascimentos
Aprendo.
A leitura me acompanha desde sempre, mas não me protege mais
Estou desprotegida, só minha teimosa e perigosa inocência me cobrem.
Ela passa por dentro de mim, como o ciúme, a raiva, o desejo, a fúria, a compaixão, a poesia.
Entra pelo ar que respiro e vai embora

Por isso, definições são tão difíceis.
As cores são muitas... E todas me atraem
Estar numa mata é um prazer singelo, me centra, me ensina a respirar
Não me arrependo de amor, paixão, tesão
Celebro cada um deles, dos mais tolos aos mais dolorosos
Aquilo que brota da vida merece respeito
A cura vem aos poucos, de uma música fugidia
Lembrar é bom, lembrar para depois esquecer é ainda melhor
Cantar é ouvir
Silenciar é necessidade

Um comentário: